Notícias Corporativas

Mercado pet deve movimentar R$ 67,4 bi no Brasil em 2023

O IPB (Instituto Pet Brasil) prevê que o mercado Pet no país movimentará R$ 67,4 bilhões até o final de 2023, o que representa crescimento de 12% do faturamento do mercado em relação ao ano passado. Para efeito de comparação, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em sua mais recente projeção, estimou que o PIB (Produto Interno Bruto) nacional deverá crescer, neste ano, 3,3%.

O Brasil possui a terceira colocação no segmento Pet no mundo, com 4,95% do mercado. Os Estados Unidos aparecem no topo da lista, com 44% do faturamento mundial, seguido pela China, que representa 9% da fatia do comércio. 

De acordo com o Sidan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal), o segmento de pets, que em 2012 representou 15% das vendas do setor, apresenta expansão no mercado veterinário. Em 2022, a porcentagem chegou a 25%.

Geração de empregos no setor

Para Marcelo Diniz, fundador da junto.pet, plataforma de serviços para Pet, o crescimento do mercado ampliou a demanda por profissionais qualificados. “Em diversas áreas, como veterinária, grooming (tosquia e embelezamento), e adestramento, houve aumento da procura por mão de obra”, destacou. 

Tal cenário se insere dentro de um panorama mais amplo, referente à atual realidade socioeconômica do país, em que 7,8% da população encontra-se desempregada, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). 

A pandemia também influenciou o crescimento deste segmento, com aumento de 30% da presença de animais nos lares brasileiros. Atualmente, estima-se que metade das residências no país conte com a presença de cães ou gatos, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme explica Diniz, o mercado Pet no Brasil tem uma razão de estar nesta fase de expansão contínua. “Isso se deve, em grande parte, ao aumento do número de animais de estimação nas casas brasileiras e à humanização dos pets, onde eles são cada vez mais vistos como membros da família”.

Para Diniz, a exigência por serviços, produtos e alimentação de qualidade é um fator que propulsiona as oportunidades de negócios no setor. “Para muitos tutores, as emoções e o bem-estar dos pets são de extrema importância e, para muitos, já não são aceitos serviços de baixa qualidade ou que não mostram um claro benefício ao bem-estar dos bichinhos”, completou.

O especialista acredita que o mercado pet no país tende a continuar crescendo nos próximos anos, mas faz uma ressalva para os profissionais da área. “É crucial abordar a questão da falta de profissionais qualificados para sustentar este crescimento e atender às necessidades do mercado de forma eficiente”, finalizou Diniz.

Para saber mais, basta acessar: https://junto.pet/

%d blogueiros gostam disto: